top of page

Comissão aprova idade mínima de 16 anos para a união estável


A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados aprovou proposta que aplica a mesma idade mínima do casamento ao instituto da união estável.


Hoje, o CC permite o casamento do homem e da mulher aos 16 anos, desde que autorizado pelos pais, enquanto não atingida a maioridade civil aos 18 anos, mas não há norma que estipule uma idade mínima para estabelecimento da união estável.


O relator, deputado Filipe Martins, recomendou a aprovação do PL 728/23, apensado, e a rejeição do projeto principal, PL 404/21, do ex-deputado Carlos Bezerra, e do PL 3735/23, das deputadas Tabata Amaral e Maria do Rosário, também apensado.


"O PL 404/21, que dispensa o emancipado de obter autorização dos pais para casar, deve ser rejeitado, pois cria exceção à regra que pode causar sérios problemas ao jovem emancipado que ainda está em desenvolvimento emocional", afirmou.


"O PL 3735/23, que proíbe o casamento e união civil de menores de 18 anos, também deve ser rejeitado, pois o próprio Código Civil estabelece que são absolutamente incapazes apenas os menores de 16 anos", concluiu. 


Assim, o relator avalia que o PL 728/23 deve ser aprovado, pois aplica o princípio da isonomia aos institutos do casamento e da união estável, ao propor a equiparação dos requisitos etários para ambos.


Segundo Martins, a ausência de legislação que estabelece idade mínima para a constituição de união estável "pode causar sérios problemas aos menores de 16 anos", já que "não existe nenhuma restrição legal que impeça a convivência em união estável de um menor com um adulto".


Tramitação

O projeto ainda será analisado, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.


Fonte: Migalhas


bgp@bgpadv.com.br


4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page